quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Sinto ...
 __Sinto que já não sou de cá...
algo me fez voltar...
algo me mantém,
e me alimenta......
vivo do ar que me sustenta...
do bafo da tua flor...
da seiva que não se ausenta...
vivo de ti...
das lembranças cravadas na pele...
do cheiro da tua seiva...
que me enche o peito adormecido ,
e o revolve como em corrida de corcel...
nesta charneca em flor...
que não é de cá...
voltou...mas logo se vai,
vivo?
não sei!
confio?
já confiei!
ausência tua ...
presença em mim...
onde flutua...esse aroma sem toque...
esse viver sempre...
contigo a reboque!,
flor formosa...
mais bela que a rosa
flor da esteva
flor da terra inóspita
vives sem saber como
toco-te com a minha mão
deixo-te aí,
mas...
trago-te sempre no coração!!
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...