domingo, 21 de setembro de 2014

faço do poema o meu vestido,
da palavra os meus sapatos
no amor tenho o sentido
dos meus passos compassados
nos cabelos guardo os beijos...
com as mãos colho ternura
visto-me num velho casaco
que esconde a minha loucura
durmo em almofada de ti
cubro-me dos desejos abafados
aqueço-me na madrugada aqui
sozinha...contando estrelas
e esperando-te
nos meus sonhos nunca sonhados!
Adelina Charneca*

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...