segunda-feira, 27 de abril de 2015


...um dia qualquer vais festejar o teu aniversário e eu....
como é lógico já não vou estar lá fisicamente,
para te lembrar como eras o sonho da minha vida,
como eras o bebé mais lindo do mundo,
como a dor de te parir foi a melhor sendo a pior dor que se pode sentir
,um dia quando quiseres saber de mim só ouvirás o silêncio,
e esse silêncio será só a sombra invísivel da minha presença
nessa altura talvez queiras dar.-me um abraço de festa 
e só to poderei dar invisivelmente ,
se me for permitido. 
Adelina Charneca*

domingo, 26 de abril de 2015


...não importa que a noite venha e não traga o sono consigo
nem sequer me custa ficar toda a noite acordada
sei que no amanhecer estás aí ,detrás daquela nuvem escura
espreitas e brilhas só para mim ,como se fosses o sol
acredito que me guardas e que já sabes que te quero
eu sei que me queres e que te espero!!!
Adelina Charneca

sábado, 25 de abril de 2015

Seu nome é Esperança!





Chame-se esperança
o que inunda a minha vida
chama-se esperança,o que me faz acreditar
ontem uma tristeza e impotência
hoje,chama-se esperança e paciência.
Esperança na vida ,e no seu amor
a esperança da luta de quem tem muito valor
enfrentar um monstro desconhecido
com um sorriso nos lábios
podem crer não é para todos
é só para alguns escolhidos,como sábios
A esperança chega de toda a parte
nos sorrisos ,nos sonhos ,na vida,
...chega na madrugada no''passei para te deixar um beijo''
e a esperança era já palavra morta
mas agora...agora...
saiu por fim detrás da porta
e é esperança renovada e...atrevida!
Adelina Charneca

quarta-feira, 22 de abril de 2015


Se o sol me consente todos os caprichos
e a lua me deixa dormir sobre ela
Se as estrelas me acompanham 
toda a noite por cima da minha janela
se as nuvens choram lágrimas salgadas por mim
e eu choro lágrimas ácidas por ti
se o rio nem corre debaixo para cima
nunca isso sendo possível
outras coisas haverá 
entre o céu e a terra que nunca compreenderei
e tu...tu sim...não te entendo e assustas-me!
Adelina Charneca

segunda-feira, 20 de abril de 2015


...eram quatro da manhã
e o sol batia no meu rosto
encandeando-me
e sustendo-me como se tivesse braços e mãos
acariciava o meu pensamento em sonho
dele pude escutar palavras mansas em segredo
sentia-lhe a respiração(o sol respira)
Pouco a pouco,
pedi-lhe que me ajudasse a fechar os olhos
fê-lo beijando-os com suavidade
o sol que me despertava altas horas da noite
era um sol distante
o sol de uma terra onde nunca chove
''o meu sol
Adelina Charneca

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Um de Março a um de Abril


Neste último mês da minha vida,em que a minha vida se tornou menos vida,não deixei de viver é certo,neste último mês da minha vida em que a árvore que me sustentava as raízes e me sustentava  a vida secou e caiu''DE PÉ''como morrem as grandes árvores,não deixei de viver é verdade,mas,não é menos certo que as cores não estão iguais,as cores mudaram,e,garanto que não fiquei daltónica,o que eu não garanto é que algum dia volte a ser a mesma pessoa ,a mesma Adelina ,a que poetava como quem rega o jardim,ou fazia amor com a lua enquanto escrevia poesis,levitando na lua cheia,e beijando o sol todas as manhãs.
Perdi-me.
Hoje sinto-me perdida e nem as conversas silenciosas me trouxeram o sorriso de volta ,nem a modalidade de saber que alguém decidiu fazer um luto deixando de comer chocolate me esboçou um único sorriso,hoje sinto mais do que nunca que o meu nome só pode ser...!
SAUDADE
Adelina Charneca

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...