segunda-feira, 20 de abril de 2015


...eram quatro da manhã
e o sol batia no meu rosto
encandeando-me
e sustendo-me como se tivesse braços e mãos
acariciava o meu pensamento em sonho
dele pude escutar palavras mansas em segredo
sentia-lhe a respiração(o sol respira)
Pouco a pouco,
pedi-lhe que me ajudasse a fechar os olhos
fê-lo beijando-os com suavidade
o sol que me despertava altas horas da noite
era um sol distante
o sol de uma terra onde nunca chove
''o meu sol
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...