quarta-feira, 17 de setembro de 2014

...infinito!
__que palavra;
gosto de palavras,
gosto do infinito,
que não se pode alcançar,...
o que não se vê,
que não se toca nem poderá tocar-se,
gosto de poesia,que é algo infinito,
gosto de pensar que,
não sou o que escrevo e sim o que sentem ao ler-me...
__gosto da vida,
que é infinita nas suas limitações,
e do amor e seus infinitos mistérios,
gosto de gente infinitamente agradável,
e de conversas infinitas,
gosto da liberdade e da poesia infinitamente limitada,
gosto de uma arma chamada''AMOR''
a minha arma são as palavras,
com elas,
mato os dias,
as noites de insónia,
e de solidão infinita!
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...