sexta-feira, 26 de setembro de 2014


Dia após dia
as lembranças vão-se apagando ,
apagando das memórias
das Primaveras em flor
de um Verão sem calor ...
de chuvas de Invernos que não aconteceram
semeadas ao vento de palavras cheias de encanto,
apagando da pele,
das mãos,
dos olhos ,
e até dos passos que dei em vão
dia após dia ,
o tempo ajuda como se fosse apagador em mão de criança nas aulas escolares,
foi tempo de magoar,
de aceitar,
enfim ...
foi tempo para acreditar cegamente,
e agora aqui ,resto apenas eu...
apenas eu!
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...