quinta-feira, 22 de janeiro de 2015


Só quero saber quem sou
estou...
cansada de desconhecer-me
quero ir onde não fui
viver,amar e sentir-me
quero do doce amargo provar
o mel estragado cheirar
quero estar onde não fui
esquecer-me do que não vi
e amar...
amar muito o que senti...
deixar silabas por escrever,
verbos por conjugar
na gramática esquecer os tempos
contigo vencer os ventos
dar-te a mão e dar-te o beijo
fazer-te tremer de desejo
trepar à montanha mais alta
gritar bem alto o teu nome
dizer-te ...
fazes-me falta,
querer-te ...
fazes-me fome!
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...