quinta-feira, 22 de janeiro de 2015


Quando partiste,
naquela triste despedida sem adeus
deixaste -me na tua ausência,
sabor a mel,
e nos olhos lágrimas de fel.
Trazia na pele o toque da tua mão,
suaves carícias,
feitas vasos de rosas em botão, 
semeaste dentro de mim uma aurora boreal,
o aperto de um coração,
no amanhecer a dois,
olhando a neblina no vale. 
Adelina Charneca

Sem comentários: