quinta-feira, 22 de janeiro de 2015


Há saudades: 
E ecos de gritos espalhados pelo chão,
temores e ventos ,
estradas em contra mão,
começos que anunciam fins,
luas cheias de nadas ,
montanhas desertas
estéreis,
abandonadas,
houve,
lábios sem beijos
olhos sem ver,
gargalhadas sem sorrir
abraços gelados
amor sem sentir
anoiteceres sem companhia
madrugadas de louca alegria,
almofadas divididas,
lençóis de vontades despidas,
haverá,
desertos de areais sem areias,
oásis de saudades,
tempestades de marés cheias,
gargantas sem ar,
mãos vazias,
e um final sem fim que durou seis dias!
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...