terça-feira, 27 de janeiro de 2015


Quisera pintar um verso que todo o mundo ao ler visse que era meu e teu, 
Pintar presente e passado
Rimar alegria e tristeza
No meu verso bem pintado
Queria ter o teu olhar
O teu beijo a.pôr-me louca
E de cores em tons pastel
Pintaria tua boca
No meu verso amargurado
Não faltariam flores
As mais belas e humildes
Pintadas em tons de prosas
Em buquês de mil cores
Com espinhos ou sem eles
No meu verso eu te daria
Uma montanha de rosas
Se algum dia tu voltares
Ao lugar onde pertences
Que o meu verso guie teus passos
E te traga novamente 
ao calor dos meus abraços.
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...