quinta-feira, 22 de janeiro de 2015


Não desejo mais ser a dança não dançada,
nunca mais ser a moça descasada,
não esperar o amanhã descalça,
sobre ervas frescas erguer uma casa,
não espero que na minha rua faça sol,
nem comprar tudo que escrevi no rol,
não sei bordar a ouro nem a prata,
cozer calças rotas de homens de gravata,
não sei onde comprar as revistas da moda,
só sei que me gasto um pouco mais que nada,
não sei encontrar o filão da mina,
escapou-me entre os dedos,
aquela pulseira da loja da china,
não quero comer,nem beber sozinha,
quero semear estrelas nesta alma minha,
e sei que quero viver de alegria ,
contar os teus beijos de noite e de dia!
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...