quinta-feira, 22 de janeiro de 2015


Semeei poesia e colhi palavras ao vento,
amei no tempo o brilho do teu olhar,
fiz da minha voz o poema de um fado por cantar,
ninguém me pode parar, 
se na alma as palavras insistem em me atormentar,
fiz do silêncio o fogo que ardia,
uma saudade que eu tinha e não sabia, 
uns olhos que me buscavam
nas montanhas do esquecimento,
e repetia sem cessar,
o adeus ,
sem um lamento. 
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...