quinta-feira, 22 de janeiro de 2015


...éramos como estrelas caídas no chão,
tínhamos as auroras dos girassóis em botão
éramos somente um amor encantado,
morríamos por dentro lentamente(era o nosso fado)
bailavam os nossos olhos um bailado sem fim
falavam em silêncio,entre lençóis de cetim,
era o amor reinventado ao som das rodas no alcatrão
levava-mos estrelas nos cabelos
escrevia-mos aqueles poemas de amor 
ao compasso de beijos,de cuidados e desvelos
silêncio,vem aí a morte anunciada
morreu sem um abraço,
como esse amor,
abandonada!
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...