terça-feira, 13 de março de 2012

Uma mulher, e a fita metrica

Quando uma mulher escreve tem que estar sempre com a fita métrica em punho para medir as palavras e colocar na sua escrita todas as cautelas para que o falso puritanismo não exerça sobre si represálias das quais não poderá mais libertar-se,ou simplesmente escreve segundo a sua inspiração e não olha mais para o que escreve.
Sendo certo que ao ser lida,se chocar com os convencionalismos mais carunchosos e bolorentos usando algum erotismo na sua escrita logo o leitor ou leitora vai criar ideias maldosas e ,se ainda acrescentar-mos a isso ser uma pessoa das relações da escritora agrava-se a ideia na cabeça cheia de preconceitos do leitor que faz o seguinte raciocínio;Ela ''a escritora''só pode escrever assim por um factor muito óbvio,ela tem de certeza um caso extra-conjugal e,ou lhe fecham as portas e não mais a lêem ou simplesmente continuam lendo com o intuito de descobrir o desenvolvimento desse''caso'' e perceberem se eventualmente ela já deu o 605 Forte ao pobre do marido para se dedicar a uma vida de mulher de outro...
Estou bem certa do que escrevo hoje aqui,pois ao comentar com pessoas  minhas conhecidas a minha escrita concluo que ela é apreciada ,sim,mas a titulo particular ou então publicamente apenas o que escrevo sobre o amor filial ou o amor dos meus netos,esquecem-se que se eu não amasse e se eu não tivesse o sentir que tenho e não vivesse situações reais de amor entre duas pessoas jamais poderia saber hoje como é o amor de mãe ou e de avó...
Ah...mas uma Sra.não deve escrever sobre relações''íntimas'' usar palavras eróticas e dizer do que lhe vai na alma para o publico leitor...é por estas mentes retrogadas que em pleno século XXI ainda se mantem a velha máxima de que ninguém é profeta na sua própria terra.
(EU)
03-03-2012
10.30h

Sem comentários: