sábado, 24 de março de 2012

Conjugando o(impossível) verbo

*
Num passado mais que perfeito em que eras o meu verbo ser e o meu verbo ter nem reparavas  que  estava ali para  doar de braços e mãos  abertas  tudo que de bom havia(há) em mim.
Conjuguei o verbo ser e nas minhas conjugações impossíveis (sub)traí-te no insólito desejo que comigo trazia…
Assim…..
Olhei-me por dentro  e(p)reservei-me o direito de ajustar as realidades que não desejava mas  aceitei ,vindas das tuas mãos laças que me deixavam escapar como uma ave aprisionada que de repente encontra o seu rumo…em liberdade…
Liberta ,pronta para pensar por si ,para se querer como nunca o havia feito e para se deixar amar como jamais o fora…
São manhãs ,tardes e noites de desassossego e inquietação que não gostei de sentir e que assim mesmo enfrentei com valentia superando o passado mais que imperfeito do verbo ser e do verbo ter  escrevendo-o no presente conjuntivo do verbo ‘’AMAR’’…
(EU)
24-03-2012
00.45h

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...