quarta-feira, 28 de março de 2012

E...solta-se a palavra.

Sempre que as palavras me visitam....
é como se um sol muito forte me envolvesse
enrolando-me
deixando-me numa letargia incompreensível ,
difícil de entender...
libertação pelas palavras ...
que dói...machuca........
que expõe......maltrata...
abusa de nós
e no abuso faz de cada silaba um abusado uso...
dos sentidos da alma envolvidos em segredos ditos em silêncio...
apenas...em silêncios...
silêncios como estrondosos relâmpagos
seguidos de raios
rasgam-me a alma
como se recortassem no céu
grandes trovoadas carregadas de energia dolorosa e dormente a dois tempos...
lava vulcânica...
que me escorre nas veias me tolda o olhar,
me quebra os sentidos
não tidos ,não (con)sentidos…
envoltos em cinzas...
que voam de um sopro inadvertidamente
por aí...
foi obra de um momento ,
momentos em mim...
por aí…
Soltam-se as palavras...
solto-me eu também.
(EU)
28-03-2012
23.00h

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...