sábado, 19 de outubro de 2013

Invento(me)


...hoje me invento ternura...
aqui me invento paixão...
por lá invento ventura...
que perdura...
nas lágrimas que caem do coração...
onde inventarei sorriso...
invento um rosto,um olhar...
onde invento aquela voz...
...que me atravessa com decibéis...
me prende sem anéis...
me tem...
me embala...
me retém...
me detém...
e não me cala!
Adelina Charneca*

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...