domingo, 9 de dezembro de 2012



Sonho acordada contigo
No meu leito abandonada por ti
Desfaço-me em saudade
Choro por dentro de vontade
Parto-me de dor
Pelo teu amor
Sufoco este grito
Pelo não dito.
Refaço o baton
E ajeito o lenço
Levanto a cabeça
Não tenho outra forma
De dizer o que penso
Só desta que escrevo
Com palavras gastas
Só assim te posso dizer
O tamanho do meu sentir
O tamanho da saudade
Que  sinto de ver-te sorrir!
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...