segunda-feira, 24 de agosto de 2015


...mostrar a alma
escrever com calma
dizer de mim
sentimentos sem fim
falar de nós
mesmo a baixa voz
tiritar de frio
no leito do rio
arder em desejo
nos lábios de um beijo
apagar o fogo
na cama como um jogo
abafar gemidos
refrear os sentidos
conter os espasmos
sentir orgasmos
escrever e dizer dia a dia
uma vida de gente em poesia
será valentia ou cobardia
não contar contigo
estar só e saudosa
e assim mesmo
chorar-te quando olho uma rosa
amar em silêncio
sem poder dizê-lo
sentir cada dia a impaciência
se ter-te tão longe e com tão grande distância!
Será coragem ou cobardia
expôr a alma de noite e de dia!
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...