quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Ausência

É dor que dói sem ser dor
No jardim da tua  glória
É uma alma como flor
São capítulos de uma  história
É nascer todos os dias
viver sem ter direcção
almas de vida vazias
separadas do coração
Partirá de mim para sempre
doendo nas noites de frio
agasalho-me tremente
sonhando horas a fio
fecho os olhos e desejo
tocar teu rosto com o meu
na tua mão dar um beijo
julgando estar ao céu...
(EU)Adelina Charneca
16-08-2012
23.00h


Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...