quinta-feira, 29 de outubro de 2015

E quando eu morrer, não deixem que a minha voz se cale, gritem à poesia , e façam-na acordar, sobre o meu corpo frio! Adelina Charneca

Sem comentários: