segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Poema à minha estrela


...esqueci estrela d'alva,
esqueci o teu cavalgar desenfreado pelo céu negro da noite,
esqueci o brilho que emanava de ti ao beijar-te e ao beijares-me,
esqueci o fulgor do teu beijar,
e sinto que esqueci
pelo frio que já tenho nos meus lábios,
esqueci minha estrela ,
o teu calor na minha pele,
naquelas noites tão frias do mês da nossa Primavera
em que fui escolhida por ti feita semente no meu peito como a Hera,
sinto que esqueci pela solidão que tenho na minha cama,
esqueci o viajar das tuas mãos
fressorosas pela minha pele de seda,
esqueci,
esqueci o calor do doce da tua voz no meu ouvido,
dentro da minha boca,
quando com os teus beijos me deixavas tão louca
esqueci o perfume do suor dos nossos corpos,
em perfeita comunhão de desejo,
vou esquecendo dia a dia o breve amor que apregoavas ter sentido...
minha estrela d'alva...esqueco tudo,
no momento em que te sonho
e te tenho de novo totalmente enebriado,
enfeitiçado no meu amor sincero
o momento em que em sonhos ainda te tenho e quero...
esqueço tudo...tudo,
só não esqueco nada...nada,
AMO-TE minha boa estrela
amo a ti que me guias no meu querer mais absoluto e raro...
AMO-TE nao percebes?
AMO! !!
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...