terça-feira, 17 de julho de 2012

Cansaço



À janela do meu querer
Vejo-te com desejo de te viver
Encontro-te meio envergonhada
nas curvas e contra curvas
das colinas e vales
que percorres sem me alcançar.
As cercas que silenciosas nos afastam,
riem-se de nós
dão gargalhadas sinistras
sem no entanto se fazerem escutar
gargalhadas silenciosas
engolidas em seco
com dor
contorcendo-se
tropeçando,
caindo,
levantando-se,
gemendo
Fecho a janela...
Cansei de querer!
Adelina Charneca
17-07-2012
11.00h

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...