domingo, 3 de junho de 2012

Quebrou(se)


Um encanto que se quebra
Uma vida que se esvai
Um amor que se finda
Sem que se possa remediar,
sem que se possam juntar
os pedacinhos de novo
os pedacinhos de ti e de mim
que se foram dispersando
em lamentos de silêncio
que se lamentam de perder,
perder o que estava ganho
e o tempo não cuidou
em tempo
quando de amor o tempo vivia
quando o mundo lá fora não existia
éramos ignorantes
muitas vezes por conveniência,
outras por dormência...
Um mundo de falhados
onde só podemos dizer
''SOMOS CULPADOS''
O que queríamos e fizemos
quando o barco se rompeu?
Nada...
prosseguimos alegremente
seguindo em frente
ignorando as dores
Só olhando a paisagem
perdendo a viagem.
(EU)
04-06-2012
00.25h

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...