terça-feira, 5 de junho de 2012

Ir a ti



Navego nas ondas do mar salgado
Vestida de água doce
Com manto de espuma
Das ondas que vão de mim a ti
De ti a mim
Deixando marcas
Que se desmarcam
de viver...
Temos tanto que contar
E muito para viver
Andamos
E no andar
Levamos ondas de sal
Que nos leva o entardecer.
Entardecer?
Já o sol além se põe
No horizonte infinito
No horizonte distante
Onde viver é preciso
Onde viver é uma arte
E  a arte se faz vida
Retribuída
Sem ter que pedir ou estar
Sempre de espada em punho
Para ter e para merecer
Sem nunca a guerra perder.
(EU)
04-06-2012
17.00h

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...