segunda-feira, 9 de abril de 2012

Tempestade........

Eu vi um barco atolado em bancos de areia numa praia que não alcançou.
As águas  batiam-lhe violentamente de todos os lados,
os ventos rasgavam-lhe as velas que abanavam  procurando o   final da tempestade que varria as águas.
O brilho da lua cheia cegava-me os olhos cansados de procurar encontrar nela dezenas de respostas a tantas perguntas que não as tinham.
Estamos remando sem tino por mares revoltos de águas imensas,
salgadas do desespero de almas perdidas debaixo de grandes tempestades correndo assustadoramente o risco de atolar na praia 'sem''remédio que salve a imponente embarcação...que afunda.....afunda........
(EU)
09-04-2012
09.35h

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...