quarta-feira, 11 de abril de 2012

Dói(s)-me


Dói(s)-me
dói(s)-me aqui dentro
não sei onde,
mas aqui
num lugar
que não vejo,
mas sinto,e toco,
dói(s)-me
de tal forma violenta
que te peço
parte,
vai-te do meu corpo
que te inventa.
Ó dor
que me massacras por dentro
sai de mim trás-me de novo
o meu alento.
Adelina Charneca

Sem comentários: