quinta-feira, 5 de março de 2015


Não marcamos encontro,
nunca nos havíamos cruzado,
mas,naquele dia,
naquele dia o destino falou por nós
e tratou de fazer o que tinha de  ser feito,
tratou de fazer acontecer o acontecido.
O destino trabalha sempre às escondidas
não nos avisa dos  seus planos
o destino ou as coincidências
as coincidências ou o destino
usam-nos,
como se fossemos marionetas em mão de malabarista.
Às vezes,
o melhor que fazemos enquanto dura a tempestade ,
é resguardar-nos dela.
Ou então fazer parte da própria tempestade,
e deixar-nos levar pelos ventos.
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...