terça-feira, 20 de agosto de 2013


...com os pés pregados no chão
entendi, o desconhecido
que em sol sustenido
baralhava meu coração
com os braços amarrados
tocamos melodias
de versos inacabados
com os olhos envergonhados
olha-mo-nos em vontades
de corações descompassados
com os lábios trémulos
de desejo abrasados
sentimos e demos
os beijos que foram desejados
interrompido
este amor não vivido
na calada dos desejos
em lugar desconhecido
de vontades foram os beijos
num impulsivo desejo sentido
mulher coragem
mulher vontade
mulher amante
mulher com vantagem
de o ser no instante
apenas mulher
que deseja e faz
por acontecer!
Adelina Charneca*

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...