sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

...outra vez a saudade!



A saudade volta a fazer parte de mim e dos meus dias.
Troca-me os sonos
abre-me os olhos de noite
 deixa-me em lágrimas em pleno dia,
às claras
como se quisesse que todos me vejam de olhos molhados
que não da chuva miudinha  que me gela os ossos
esta água que me molha os olhos tem o poder de me aquietar o espírito
como se tivesse  de apenas ser necessária 
ser absolutamente indispensável para me fazer sentir gente.
Saudade malévola...
Saudade...
Dóis tanto!
Adelina Charneca 

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...