sábado, 14 de setembro de 2013

O luar da minha cama


O  sono desapareceu
Ficou no meu quarto a lua mais eu
Na cama a sós comigo
Espreita alada pelo postigo
A lua feiticeira
Espreita-me matreira
Por entre a vidraça
Veio ver o que se passa
Assiste à solidão
De um pobre coração
Pode ser  que ria
Até nascer o dia
Ou talvez chore
E amanhã melhore
Lua  lua...porque me olhas daí?
Lua...minha companheira na solidão
Leva um doce olhar
A um solitário coração
Que chora por alguém
A quem não sabe amar
Chorando o pressinto
Lua...nesse teu brilho de pasmar
Minha lua airosa
Cegas-me de amor
Através das vidraças
Com muito fulgor
Lua...
Minha doce lua...
Companheira de infortúnio
Companhia minha
Companhia sua...
Ainda que chores
Logo de manhã
Chega o teu amor
Que te cega de luz
O meu não virá
Qualquer outro amor o conduz.

Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...