quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Estes baraços que me atam os braços


Sombras de vida
lembranças de dor
sobrevivida
em beijos de amor
dias de lembrança
cheias de alegria
mataram a esperança
de em mim se fazer
vida 
que ninguém vivia
...mordaças que me colocas
peias que atas a meus pés
baraços
que me atam os braços
jazem lá dentro do mar
levados pelas marés...
onde mais nada existe
a não ser restos de tudo
tudo que em nós existia
noutra vida
algum dia!
Adelina Charneca *

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...