quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Parado no meio do silêncio,
és como uma montanha
de ondas largas e altas
entre elas,escuto o vento,
e não posso negar
ele traz até mim
o som da nossa música a dois.
Sinto-me forte nesses momentos meus,
mas,
sei que sou apenas mais uma pedra
uma de entre tantas
que te compõem o caminho
o teu caminho de semear dor
depois de colher para ti o amor,
que te doa sem dó
e que mesmo que não haja sentido
que a melodia da tua vida
seja toda na mesma nota
em tom fúnebre sem dó sustenido!
Adelina Charneca

Sem comentários:

''PARA QUE NÃO DIGAM QUE NÃO FALEI DE POESIA'' Recordo o dia em que no mítico Teatro Tivoli se ouviram inesperadamente as pa...