quinta-feira, 31 de outubro de 2013


https://soundcloud.com/adelina-charneca-trindade/mulher


https://soundcloud.com/adelina-charneca-trindade/todas-as-manh-s-s-o-outono

Meu eterno sempre


https://soundcloud.com/adelina-charneca-trindade/meu-eterno-sempre

Cansaço


...tenho o soluço pasmado nesta voz que não me sai...
o sorriso desgastou-se...
entre as nuvens adensadas de escuro céu...
nuvens que carregam uma a uma...
as dores de uns olhos cansados...
olhos sem estrelas cadentes...
sem beijos ardentes...
sem mistérios por desvendar...
olhos sem ilusões para...
olhar!!!

Viver sem rede


...vi uma lágrima no vento...
ele já sabe daquele momento...
vi outra lágrima no céu...
ele já sabe de tudo meu e teu...
vi uma lágrima de adeus...
sei que era dos olhos teus...
estava uma lágrima na rua...
percebi que era de saudade...
a tua...
chorei uma lagrima sem querer...
era de vontade de te ver...
as lágrimas formaram um rio...
 e eu...tremia de frio...
colhi essas lágrimas na mão...
e lavei o meu coração. ..
fingindo não perceber...
 fiz de conta que estava a chover...
corri apressada por aquela estrada,...
tremendo de frio, gritando ao vento...
o meu sofrimento,...
e o vento  abraçou-me,naquele momento...
julguei que eras tu...
senti um calor no meu corpo nu...
era o sol que chegava...
 então percebi, que o meu sonho...
ali terminava!!!

domingo, 27 de outubro de 2013

Memórias



...meu sangue nasceu sem ser de nascente...
minha voz ecoa em vales e montes...
ribeiras e fontes
...meu olhar vagueia por entre luares...
meu sonho se sonha em muitos lugares...
lá...
no lugar das memórias não esquecidas...
ouvem-se vozes de fadas adormecidas...
na ribeira corre a água cristalina...
suave como o piar da cotovia...
clara como a alma do poeta...
que com palavras não inventadas
forma sem estrelas
...sua constelação divina!
Adelina Charneca*

sábado, 19 de outubro de 2013

(...)


...tenho vontade de baptizar-te...
e  baptizar-me outra vez...
mudar o teu nome e o meu...
...podia ser que de novo aprendesse-mos a viver...
tu chamar-te-ias...
ESQUECER...
anda...
escreve na tua mão...
eu...
já sabes...
chamar-me-ia...
PERDÃO...

Adelina Charneca*

Obrigada


Não sei quem me visita pois não deixa comentário contudo o contador de visitas diz-me que hoje recebi mais de 100 (CEM) visitas no meu blog,estou muito grata por isso...seja lá quem for...OBRIGADA..  SÃO QUASE 10.000 ...UUUUUFFFFFFF que responsabilidade ...

Adelina Charneca

Outra lua...a minha.


Já é de novo lua cheia e...
...ainda sei de cor cada tom da tua natureza,...
mas deixas-te que no intervalo dos teus dedos...
nascessem os meus medos...
e que eu partisse com os meus segredos.
Adelina Charneca*

Parar o sonho


...ás vezes há que interromper o sonho...
e admirar a lua sozinha...
fazer uma pausa...
perceber se é mesmo aquele...
''O SONHO''
...tentar perceber se é o sonho que vale a pena...
ou se somos nós que o valorizamos demasiado...
e...
depois do intervalo voltar a sonhar com mais intensidade...
mais verdade...
maior segurança...
maior certeza ...
no sonho e nas suas consequências...
mas...

sonhar é preciso!!!
Adelina Charneca*
(a que às vezes sonha)

Necessito


''…necessito caminhar...
para poder  seguir caminhando...
necessito caminhar...
até chegar a teu lado...
porque estás...
ainda que não estejas...
sinto teus passos onde quer que vá...
...a alma nua...
das tuas  mãos amadas...
o sentir frio...

envolto em nadas...
necessito caminhar,
ainda que não saia do mesmo lugar...
necessito caminhar!''
Adelina Charneca*

Sem lua


(...as nuvens roubaram-me a lua...
a chuva roubou-me o sol ...
voltou a saudade à minha rua...
trago-a aqui colada, pegada...
amarfanhada ...
mas,não roubada...
(É MINHA)partilho-a com todos porque a saudade...
é tanta que nem sei o que lhe fazer...
nem onde a esconder ...)
Adelina Charneca*

Já sabes...


Já sabes que matei um amor...
sua metade...sua meia metade...
enfim...
assassinei-o sem dó...
já sabes que morri na tua mão...
minha metade...tua meia metade...
enfim...
já sabes que o deixei despedaçar...
apertei-o até o desfazer...
enfim...
já sabes...não há mais lágrimas que chorar...
escorreram para o mar...ou seria para o vale...
enfim...
já sabes que dia a dia...
sempre se morre um pouco...
enfim...
já sabes que matei aquele amor louco...
apaguei-o suspiro a suspiro...
enfim...
já sabes que o inverno chegou cá...
e primavera ficou para sempre...lá,
enfim...
já sabes...
já sabes...
eu sei que tu sabes...
e eu também sei...
que...
enfim...
aquele amor eu matei!!!
Adelina Charneca*

Invento(me)


...hoje me invento ternura...
aqui me invento paixão...
por lá invento ventura...
que perdura...
nas lágrimas que caem do coração...
onde inventarei sorriso...
invento um rosto,um olhar...
onde invento aquela voz...
...que me atravessa com decibéis...
me prende sem anéis...
me tem...
me embala...
me retém...
me detém...
e não me cala!
Adelina Charneca*

Levanta-te e vai...


...ao mundo nada lhe importa...
veste a tua melhor roupa...
maquilha bem o teu rosto e sorri...
não demonstres tristeza...
que para os outros será felicidade...
sorri...
o teu sorriso é o mais belo que existe...
acredita em ti...
e nunca escondas de ti mesma ...
a tua verdade...
os teus sentimentos são só teus...
não os mostres a ninguém
para eles não valem nada...
sente-os com a tua própria força...
vive-os...
ou...
guarda-os...mas....
só para ti...
tu és a tua melhor obra...
de ti nasceram obras lindas...
mulher...
estima-te...
sorri....
vive...
ama...
mas..
nunca te ignores...
brilha...
ofusca...
encandeia...
mas vive...mulher!!!
Adelina Charneca

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

A louca


...gritava o poeta...
???quem foi que levou a minha alegria???
???quem levou a minha vontade de viver???
???quem se atreveu a roubar a minha vida???
...a louca respondeu-lhe...
ninguém levou a tua alegria...
tens de novo a tua vontade de viver em ti...
volta à vida pois ela é bela e espera-te...poeta!
...os bons sempre terão os seus anjos guardando-os...e,
em qualquer momento voltam de novo ao seu caminho!!!
Adelina Charneca*

As luas e eu


...já a lua cresce de novo...
aproxima-se mais uma lua cheia...
...quantas já passaram...
desde aquele dia...
em que a lua mentia...
desde aquela lua...
que não era minha nem tua e...
assim mesmo...
apropria-mo-nos dela...
quantas luas eu já vi cheias na minha janela???
...já esqueci...não as contei...
mas...
foram tantas luas e palavras tão formosas...
que descobri que todas as luas...
são ...MENTIROSAS!!!
Adelina Charneca*

Testamento


Já fiz e registei o meu testamento...!!!
...e em determinada alínea...poderão ler a seguinte exigência!!!
...que conste na minha pedra tumular o seguinte...
...AQUI JAZEM OS OSSOS DE UMA MULHER QUE NEM SOUBE COMO MAS,CONSEGUIU SER FELIZ MAIS DE DEZ MINUTOS SEGUIDOS...
Adelina Charneca*

Dói...


...arrancarei de mim cada pedacinho teu
...partirei para longe cruzando o azul do céu
o coração desfeito...
contrafeito...
pedaço por pedaço deito-o ao mar...
pedaço por pedaço...
deixarei de te amar...
Ah...quanta força terei que fazer...?
Sei que vai doer ...
doer!!!
No final...
o doer nos fará viver...
Ai...como dói este arrancar de mim a ti...
Ai...como faz mal esta dor lancinante
do arrancar do coração...
aqui.
....não quero mais esta dor...
nunca mais...
nunca mais quero o amor!!!
Adelina Charneca*

Mulher


...se olhar bem no fundo do seu olhar,
verá alguém que tem muito para contar...
...se fixar bem as rugas do seu rosto,
verá decerto uma mulher de bom gosto...
se pensar no seu bom gosto...
que com a idade é um posto...
de bom gosto para viver...
saberá que por debaixo do seu vestido cor purpura...
existe uma mulher de idade madura...
as marcas do tempo não lhe perdoaram...
deixando-lhe as marcas do cansaço de tanto labor...
e as sensações de ter vivido já muito amor...
a mulher saber...
a mulher sentir...
a mulher que quer...
a mulher que aceita...
e nunca rejeita...
a possibilidade...
da eterna felicidade...
anda...fá-la feliz...
essa mulher tem tudo...
tudo que te falta...
e tu tens o que ela sempre quis...
tão só amor...
amor...
amor...
sou(EU)quem to diz
Adelina Charneca*

Não esqueço


Todos os relógios de casa
Já batiam as 24 horas
Quando por fim o sono a venceu!!!
No seu pensamento
surgiam as lembranças em corrida louca
De todas as vezes que ele havia beijado a sua boca
O toque das suas mãos
Sentia-o ainda bem vivo
O entrelaçar dos dedos entre os seus
Era ainda uma lembrança
Que a fazia corar de excitação
Como se pode amar tanto a uma pessoa
Se o simples toque dos seus dedos te fazem levitar 
Ou sentir um arrepio na pele
Tão forte ...
que era impossível não sentir
A lembrança dos olhares cruzados
Ainda a fazem sorrir
E ela...
Deixa-se levar no peso das recordações
Que não consegue conter
O mundo gira em volta dela
Mas...
O seu mundo...
Parou!!!

Adelina Charneca

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Tu


...hoje tu és o verso...
eu deixei-me ser o reverso...
hoje tu és a poesia...
eu a mão que te escreve...
hoje tu és a saudade...
eu sou quem te sente...
tu tens o meu coração...
eu sou...
a solidão!!!
Adelina Charneca*

Todas as manhãs são Outono




...todas as manhãs escuto a tua voz...
em todos os lugares onde vá...
...assaltam-me as lembranças de nós...
...em todas as musicas que escuto..
estás...
o tempo passa e o teu perfume...
permanece...
o relógio implacável marca o tempo a correr...
há que esquecer...
esquecer para poder viver...
...o cair da folha nas árvores...recorda-me,
que...
em cada final sempre existe um renascer...
o eterno é efémero...
o efémero já nada é...
resta...
nada resta...
só ...só recordações...
recordações e soluços...
soluços escondidos...
na garganta ...nos olhos...
nas mãos vazias...
nos pés que estão sem caminho...
nos cabelos ao vento,
ao vento...
esse vento que sussurra ao meu ouvido
palavras que não entendo...
não quero entender o que me diz...
nem que me leve mais onde já fui feliz...
...neste lugar desconhecido é onde fico...
e o vento insiste e repete...
...o teu nome...???
Adelina Charneca*

domingo, 6 de outubro de 2013

Num tempo...sem tempo.


No recato de um concerto de câmera com a plateia em número reduzido olho-te de frente e a direito mas,não suporto o peso do teu olhar que me obriga a pestanejar ...
notas o meu embaraço e surpreendentemente...
atiras ao meu ouvido palavras que de algum modo já conheço,
uma a uma,declamas  em surdina um poema com algum peso...
Poema meu,decorado por ti,
poema que ninguém leu e...
de repente...
é quem eu não esperava que o diz.
O tempo já passou por nós implacável,
de nada nos servirá esse tempo dos beijos  que nunca demos,
ele,o tempo está prenhe de sonhos correndo  neles desenfreado,e eu..
corro nos sonhos já sem tempo...
amiúde,o tempo já não me deixa sonhar...
invento eu um tempo que apenas é possível se for criado por mim...
zangada com o hoje,retiro-me...
é que...
poderá ainda o tempo dar-me momentos que me voltem na memória e me prolonguem no amanhã o hoje,
 e...
me façam viver o presente no sonho da hipótese  do amanhã...
no final...
sempre haverá alguma doçura  e desejo pelo que não chegamos a provar!!!

Adelina Charneca