segunda-feira, 6 de junho de 2011

''Os meus poetas''/Adiamento

Depois de amanhã,sim,só depois de amanhã...
Levarei amanhã a pensar em depois de amanhã,
E assim será possivel;mas hoje não...
Não,hoje nada;hoje não posso.
A persistência confusa da minha subjectividade objectiva,
O sono da minha vida real,intercalado.
O cansaço antecipado e infinito,
Um cansaço de mundos para apanhar o eléctrico...
Esta espécie de alma...
Só depois de amanhã...
Hoje quero preparar-me,
Quero preparar-me para pensar amanhã no dia seguinte...
Ele é que é decisivo.
Tenho já o plano traçado;mas não,hoje não traço planos...
Amanhã é dia dos planos.
Amanhã sentar-me-ei à secretária para conquistar o mundo;
Mas só conquistarei o mundo depois de amanhã...
Tenho vontade de chorar,
Tenho vontade de chorar muito de repente,de dentro...

Não,não queiram saber mais nada,é segredo,não digo.
Só depois de amanhã...
Quando era criança o circo de domingo divertia-me toda a semana
Hoje só me diverte o circo de domingo de toda a semana da minha infância...
Depois de amanhã serei outro,
A minha vida trinfar-se-á,
Todas as minhas qualidades reais de inteligente,lido e prático
Serão convocados por um edital...
Mas por um edital de amanhã...
Hoje quero dormir,redigirei amanhã...
Por hoje,qual é o espectáculo que me repetiria a infância?
Mesmo para eu comprar os bilhetes amanhã,
Que depois de amanhã é que está bem o espectáculo...
Antes,não...
Depois de amanhã terei a pose publica que amanhã estudarei.
Depois de amanhã serei finalmente o que hoje não posso nunca ser.
Só depois de amanhã...
Tenho sono como o frio de um cão vadio.
Tenho muito sono.
Amanhã te direi as palavras,ou depois de amanhã...
Sim,talvez só depois de amanhã...

O porvir...
Sim,o porvir...

«Alvaro de Campos»Heterónimo de Fernando Pessoa

domingo, 5 de junho de 2011

Ser obrigada a pensar

Nada se pode fazer sem que primeiro se aprenda como fazer,(preciso primeiro aprender para depois executar).
Quanto de QI terei para consegui-LO?
Sem que seja intitulada de"algo deficiente".
(Este meu ser não é de facto nada original,transparente como o cristal mas nada original,chega a ser assustadora esta minha lucidez sobre a loucura,assustadoramente bom de sentir o que acontece à minha volta e tantos outros sentires que chegam a doer,na verdade dói mais a mim do que a ninguém este meu ser.
Contudo a minha força está aqui neste meu entender,neste meu sentir que fragilizado enfrenta(sem enfrentar)os medos,todos os medos que de tão grandes ficam pequeninos porque se intimidam e os de tão pequeninos tomam por vezes proporções inimagináveis de tamanhos impensáveis de ultrapassar de ultrapassar ,não digo(vencer)porque tantas vezes já tive necessidade de contornar medos por serem precisamente assim assustadoramente gigantes na sua pequenez.
Escrevo assim porquê?Será uma forma airosa de me enfrentar a mim própria?Seja.
As palavras serão dirigidas a mim própria?
As que penso e escrevo e as outras que escrevo sem pensar?
Quantas palavras se perdem todos os dias por não estar um lápis e um papel ali perto do pensamento,ou simplesmente por não estar ninguém por perto que queira escutar umas quantas dissertações sobre o"ser louco"?
Luto sim:todos os dias acordo lutando para me entender cada vez melhor e o que percebo é que quanto mais me conheço mais feliz fico por ter nascido e já na vida ter percebido tanto continuando aberta a perceber muito mais,principalmente sobre este mistério que é o meu(EGO).
«03-05-2011»(EU).

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Aceitação


***Este texto é dedicado a todas as Meninas-Mulheres que bem cedo se aperceberam que a vida não era própriamente como a líamos nas"Caprichos"ou "Corin Tellado"***
*******************************************************************************************************
Era uma menina muito bonita,notava-se que estava reservada para ser muito gente,a sua calma e tranquilidade natural aliada  e contrastante com as guerras caseiras depressa a demarcaram e afastaram do dia a dia  da casa pois tentava a todo o custo sobreviver e passar incólume a todo o ambiente que ninguém se preocupava em tornar aceitável.
Era feliz???...era,(é)tinha(tem)uma alegria natural um brilho no olhar que a distinguia,a cor do cabelo assemelhava-se a uma cor fabricada em laboratório,tinha um brilho intenso em seu redor,até que ponto isso era possivel?!Se numa familia numerosa a felicidade tem que ser repartida por tantos,a alegria tem que se estender a todos os rostos da casa,os sorrisos esses saltarão das bocas mais naturalmente tranquilas da aceitação do haver,e quizás nasceu junto com ela.(ACEITAÇÃO)
Essa menina sonhou com o seu príncipe encantado e encontrou-o,mas depressa percebeu que tinha desencantado o príncipe(certo)errado,assim mesmo(ACEITOU).
Desse encanto desencantado com o príncipe errado nasceram duas pequenas cinderelas que lhe transformaram a vida e toda a sua existência em algo melhor e digno de se chamar vida.(ACEITOU)
Essa menina está aqui,lá bem no fundo ela nunca desapareceu,talvez espere ainda o dia em que poderá finalmente ser menina sem que isso seja censura,talvez ainda um dia tenha um balouço só para ela(que não o pneu pendurado na árvore)e vá balançando no seu coração,e balançando,balance tanto que se desperte e perceba que cada coisa tem o seu tempo de ser vivida e que o seu tempo é cada vez mais o de(ACEITAR).
A menina"essa menina" sonha,e quer continuar a ser a menina sempre lá dentro do seu coração,deixá-la saltitar de felicidade e alegria sempre que em cada dia o SOL chegue(ou não)e diga,BOM DIA MENINA!!!
«06-05-2011»(EU)
*******************************************************************************************************